0

Restos Humanos

Restos Humanos
Título Original : Human Remains
Elisabeth Haynes
Editora Intrínseca

" Queria gritar para todo mundo, mas aí o segredo não me emocionaria mais - e eu provavelmente seria preso. Eles me deixariam preso para sempre pelo que fiz. Será ?
Não fiz nada contra aquelas pessoas, além de ajudá-las a escapar do peso das vidas que vinham levando até então. No máximo, minha contribuição é catártica; uma misericordiosa libertação. Elas teriam se matado, mais cedo ou mais tarde, e meu método é infinitamente mais limpo, menos doloroso e, bem possível que seja menos desordenado. "

Annabel Hayer é uma pessoa tristonha e solitária que trabalha com análise de informações para a polícia. Ao encontrar o corpo de uma vizinha idosa já em decomposição, ela fica com aquilo na cabeça, repassa muitas vezes o seu próprio cotidiano e questiona a si mesma sobre o próprio individualismo. Annabel vê o seu próprio futuro na morte de sua vizinha. Afinal, sua gata poderia até sentir a sua falta na hora da comida, mas não contava.
Depois de muito pensar no assunto, enfim, resolve pesquisar por outros casos semelhantes.

Como ninguém havia sentido a ausência daquelas pessoas ?
Eles não eram importantes para ninguém ?

Esse era seu trabalho na polícia e ela estava acostumada com dados e estatísticas, só não achou muito normal que o número de pessoas solitárias, principalmente idosos encontrados mortos tenha aumentado tando de uns tempos pra cá.
Considerada a esquisitona entre os colegas, ela trava uma verdadeira batalha para que seu levantamento seja levado em consideração. 
A imprensa desde a descoberta do corpo de sua vizinha, está a sua procura para entrevistas e qualquer informação a mais. Aos poucos, Annabel desabafa com o repórter e conta sobre sua vizinha e suas estatísticas.

Quando Annabel vive a própria tragédia familiar, o medo de terminar esquecida como aquelas pessoas se torna mais real. E a partir desse ponto, a morbidez e o aspecto depressivo da trama emanam de cada página.

Elisabeth Haynes nos conta como o ser humano pode ser solitário, esquecido e por vezes ameaçar e exercer a maldade através das palavras.
Um thriller que fará você repensar no seu convívio social

O livro em uma palavra : melancólico

Como quem lê faz seu filme, eu tive uma certa antipatia por Annabel no começo. Ela é cheia de manias de perseguição e tem uma certa tendência ao melodrama embora que mental. A trama ganha mais corpo quando ela se aprofunda nas investigações.
Denso, forte e até um pouco depressivo, Restos Humanos é um thriller psicológico para os amantes desse tema. 


Postar um comentário

Posts Recentes

© Quem Lê faz seu Filme - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO