0

Cidades de Papel

Cidades de Papel
Título Original : Paper Towns
John Green
Editora Intrínseca

" Eis o que não é bonito em tudo isso ? daqui não se vê a poeira ou a tinta rachando ou sei lá o quê, mas dá para ver o que este lugar é de verdade. Dá para ver o quanto é falso. Não é nem consistente o suficiente para ser feito de plástico. É uma cidade de papel. Quer dizer, olhe só para ela, Q : olhe para todas aquelas ruas sem saída, aquelas ruas que dão a volta em si mesmas, todas aquelas casas construídas para viverem abaixo. Todas aquelas pessoas de papel vivendo suas vidas em casas de papel, queimando o futuro para se manterem aquecidas. Todas as crianças de papel bebendo cerveja que algum vagabundo comprou para elas na loja de papel da esquina. "

Quentin Jacobsen é um menino centrado, na dele, o típico garoto normal. Seus pais são psicólogos e só de Q não sair por aí tentando matar todo mundo, já agradecem aos céus. Sua turma de amigos é a turma do bem no colégio. Aquela turma que nem sempre levou a melhor nos anos escolares, mas não pode ser considerada a turma dos babacas.
Já a sua vizinha Margo Roth Spiegelman não poderia ser considerada normal. Ela era excêntrica, linda, vingativa e a típica rainha do baile.

Q e Margo se conhecem desde sempre e já viveram momentos interessantes no passado. A adolescência os afastou um pouquinho, mas no coração sempre estiveram por perto. Tanto que no pior momento de Margo ela procura por Q .
Seu plano mirabolante acaba arrastando Q durante a madrugada. Uma madrugada onde ele acaba quebrando todas as regras de uma só vez. Uma madrugada que ficará para sempre em sua memória porque violou todos os padrões.
O que Quentin não sabia é que após essa madrugada nada mais seria o mesmo. Sua reputação não seria a mesma e Margo não seria a mesma.

E assim, Quentin é levado a convencer a todos e a si próprio, por muitas vezes, que Margo precisa de ajuda.

John Green tem um jeito todo especial de escrever tramas da adolescência. Os meninos criados por ele são incríveis e Quentin não foge a regra. Impossível não se solidarizar !!!!

O livro em uma palavra : especial

Como quem lê faz seu filme, eu já disse que Quentin é inesquecível como todos os garotos criados por John Green. Mas o fato que o faz mais lindo é aquele jeitão gente boa sabe ?! Aquele que sempre acredita, o cabeça da turma.
Na trama ele trava uma luta entre a imagem fictícia que ele tinha de Margo e a Margo real. Sua turma de amigos tenta convencê-lo que ela é uma "doida de pedra", mas a amizade fala mais alto e amigo que é amigo não deixa o outro entrar em uma roubada sozinho. E tão injustificável quanto uma grande amizade pode ser, a turma se une para resolver o misterioso paradeiro de Margo junto com Q.

Mais uma vez John Green nos dá várias lições sobre amor, amizade, relacionamento pais x filhos e companheirismo. Cidades de Papel tem aquele ar de mistério envolto em coisas do cotidiano que mesmo depois de ler você ainda se pega pensando.
Ah e eu preciso confessar que jamais havia pensado em Cidades de Papel como ele rsrs Genial !

Postar um comentário

Posts Recentes

© Quem Lê faz seu Filme - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO