0

Entre o Agora e o Nunca

Entre o Agora e o Nunca
Título Original : The Edge of Never
J.A.Redmerski
Editora Suma de Letras

" Claro que seria melhor, por vários motivos, se ele fosse uma garota, mas pelo menos está na minha faixa etária e não é nem um pouco feio. Não, Andrew Parrish passou longe da fila da feiura.
Na verdade, ele entrou várias vezes na fila da gostosura, e acho que essa é a única coisa que me incomoda nessa situação toda.
Você sabe muito bem que não importa tanto o que esteja acontecendo na sua vida, quem você perdeu, quanto você odeia o mundo ou quão inadequado seja se sentir atraída por alguém antes que a fase de recuperação chegue a uma etapa aceitável. Você continua humana, e assim que vê alguém atraente, não tem como não notar. É da nossa natureza. "

Camryn perdeu o namorado, foi injustiçada por sua melhor amiga e ainda enfrentava o divórcio dos pais e a prisão do irmão. O estopim estava criado e assim Cam parte em uma viagem de ônibus até Idaho.
Ela tinha quase 21 anos e uma sensação imensa que precisava encontrar o seu lugar no mundo. Muita coisa não se encaixava e a esperança era que essa jornada até Idaho fosse uma parte desse renascimento, dessa cura.

Esse processo sofre uma mudança quando Andrew Parrish entra no  ônibus de Cam e se senta bem próximo da poltrona dela. Ele é jovem, tem olhos verdes, corpo musculoso e é lindo de morrer.
Tanto Camryn, quanto Andrew se sentem atraídos mas entram em um jogo de puro descaso. Tudo ia bem até que Andrew se senta ao lado dela e tornam-se inseparáveis. Conversas de duplo sentido, a tensão sexual pairando no ar e a imensa sensação que aquele encontro não poderia ser mera coincidência.

Mas a parada de Andrew estava chegando e o caminho dos dois deveria tomar rumos diferentes a partir daquele ponto, a não ser que um dos dois tomasse uma atitude e colocasse os sentimentos em voz alta.
Ninguém consegue dar voz aos sentimentos, mas o destino os coloca frente a frente novamente e a jornada de Cam torna-se também a jornada de Andrew. Andrew provoca e mostra um lado mais real de sua vida ao levar Cam para o universo particular de sua família. As dores, o medo e a fuga de Andrew não são completamente entendidas, mas Cam entende que Andrew abafa uma dor muito maior dentro do peito.

Poderia soar patético, mas eu diria que na tentativa de se distanciar, esses dois chegam mais perto a cada dia. Todas as tentativas de abafar a tensão sexual que rola entre eles desde o ônibus, acaba se tornando combustível para um incêndio prestes a acontecer.

Os dois fugiam da realidade. Cada qual com seus motivos, mas a vida os juntou e os fez aprender que tudo se renova e que a cada momento temos uma nova chance de sentir e de viver uma nova história.
Viver intensamente . Viver cada dia como se fosse o último. E várias outras frases de efeito poderiam resumir o que Andrew estava fazendo com Camryn. Ele faz com que ela se solte, seja mais ela mesma e pare de pensar e de fazer o que era esperado por todos. Nasce uma Cam mais ousada e mais real e um Andrew que enfrenta a tortura de passar os dias ao lado daquela que abalou irremediavelmente as suas estruturas.

Mas não termina assim não ! A autora vira a trama de cabeça para baixo e tudo que era previsível torna-se impossível de acreditar. A respiração do leitor fica suspensa nos capítulos finais e um NÃO ecoa em nossos pensamentos, afinal " Coincidência é só o nome que os conformistas dão ao destino " . 

O livro em uma palavra : visceral

Como quem lê faz seu filme, eu odiei o livro, eu amei o livro e terminei dando razão aos números de vendagem. O livro é muito bom mesmo ! O começo é lento, aquela " lenga, lenga" no ônibus e tal só faz irritar, mas depois pega fogo. Os dois se soltam e se abrem verdadeiramente. É muito gratificante ver que a jornada fez muito bem a Camryn.
Andrew é todo safado e Cam também tinha um lado assim, só estava reprimido e não que eu concorde com isso ou aquilo, mas temos que ser o que somos e jamais o que a sociedade espera. Eu gostei muito de ler os trechos onde ela afirmava que sempre teve vontade de falar ou fazer certas coisas, mas acabava sempre se contendo.
Outro ponto positivo do livro é que durante a leitura ( foi assim comigo) o leitor é levado a construir diversas teorias sobre Andrew, menos aquela que realmente vira realidade nos últimos capítulos.

Eu adoro livros com trilha sonora e J.A.Redmerski dá um verdadeiro show. Temos uma playlist muito bacana para entrar no clima dos personagens que pode ser acessada clicando aqui.

Um ponto negativo é realmente o final corrido demais. Ela trabalha o livro com grandes descrições e detalhamentos, mas o final ficou meio atropelado. Não tira o brilho, mas poderia ser mais de acordo com o ritmo que ela mesma criou.

Leia agora sem medo de ser feliz porque o livro é tudo que falam e mais um pouco  !

Booktrailer:


Recado da autora:





Postar um comentário

Posts Recentes

© Quem Lê faz seu Filme - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO