6

O Que Falta Ao Tempo

O Que Falta Ao Tempo
Título Original: Lo Que Le Falta Al Tiempo
Ángela Becerra
Editora Suma

"Uma vez esgotados os rolos de filme, as pedras, os gritos e os empurrões, a câmera silenciou. Sara e Cádiz juntando seus rostos, seus olhos, suas respirações, suas bocas, até se encontrarem no cimento da rua, um grande leito de pedra. Deitados, um sobre o outro, um no outro, um dentro do outro. Paris emudecia no beijo.
Todos os calores suculentos nadavam entre suas línguas. Uma mescla de sabores e palavras por dizer se diluía naquele espaço pumido e escuro. Longo ... como um corredor sem fim.
Ao longe, amortecidas, ouviam-se vozes. "É preciso mudar a vida ...putains, putains ... Não sonhem com olhos alheios...", e eles continuavam sonhando com a língua.
- O amor está no beijo - disse Cádiz sem deixar de beijá-la. - Um beijo não sabe mentir. Se não é de verdade, grita. "

Cádiz, famoso pintor e conhecido internacionalmente pelo seu Dualismo Impúdico, vivia no auge dos seus 60 anos, uma fase de completa falta de inspiração. Os pincéis e tintas, seus fiéis companheiros, já não respondiam mais ao seu chamado.

Casado com Sara, a fotógrafa americana que em maio de 1968, entre gás lacrimogênio, gritos e palavras de ordem lançadas com a adrenalina da revolta estudantil, o viu envolto em uma nuvem de fumaça, suado, épico e gigantesco. Cádiz era um convite para as lentes de Sara. Cada poro do seu corpo respondia aquele rebelde. Sara acabou por se entregar aquela paixão insana e nunca mais voltou aos EUA. Aquela reportagem não foi apenas mais uma, mas sim a reportagem de sua vida. A mais premiada e o divisor de águas de suas carreiras e de seus corações.
Com Sara, Cádiz conquistou o mundo como ícone da modernidade e da expressão mais audaciosa do dualismo. Mente e Corpo, bem e mal, razão e instinto.

Só que esse era um Cádiz que já não existia mais. Não só os pincéis não respondiam ao seu chamado, mas o seu corpo, a sua libido e a sua mente não eram as mesmas. Sara, já não causava o mesmo impacto de 1968. Os anos haviam passado e com eles o desejo. Restava agora cumplicidade.

Em meio a esse turbilhão de emoções surge Mazarine, uma jovem estudante de pintura que resolve aprender com seu grande mestre Cádiz.
Mazarine devasta a vida de Cádiz com seu sopro de juventude e criatividade. Ela irradia inspiração e Cádiz, em um primeiro momento, se sente completamente apagado por ela, por seus pés, por seu corpo, por suas pinturas que nasciam sem esforço e esbanjando talento.
Só que essa jovem se sente completamente encantada pelo Cádiz professor, grosseiro e dono de um humor ácido. Um fio de desejo nasce desse transe e Mazarine passa a ser a fonte inesgotável de energia que Cádiz necessitava.

Mazarine irradiava vida o que era completamente um contraste com a vida que levava. Vivia sozinha em um casarão, onde sua companhia era algo secreto, antigo e condenado pela igreja.
Seu passado, até então desconhecido por ela, começa a se desdobrar. Perguntas nunca antes respondidas, passam a colocá-la em perigo. Um medalhão que remete a uma seita inteiramente ligada a arte é a peça chave para as respostas que Mazarine vinha procurando.

Entre a busca por respostas e a dualidade de seu relacionamento com Cádiz, Mazarine conhece Pascal, aquele que emanava um amor incondicional, uma mansidão jamais conhecida por ela. O seu salvador !
O amor não escolhe praticidade ou adequações, quem ama sente e pronto.
E assim, Mazarine precisará encontrar respostas para os seus segredos de sua família, o seu envolvimento com aquela estranha seita e descobrir onde estaria o verdadeiro amor. Na loucura ou na razão ?

O livro em uma palavra : Visceral

Ángela Becerra, com uma linguagem culta, rica e muito sensual envolve desde a primeira página. Em O Que Falta Ao Tempo, ler significa um mar de emoções com expressões ricas e diálogos cultos.
Aqui, ler é sentir e se encantar. É pensar no tempo como agente de mudanças de corpo, mente e sentimentos.
É um livro para se ler devagar, saboreando cada página, cada emoção que vibra dos personagens e que é capaz de nos levar ao mundo das artes e das paixões sem limites.

Postar um comentário

Posts Recentes

© Quem Lê faz seu Filme - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO