10

Barbara Delinsky - Família


Família
Título Original: Family Tree
Bárbara Delinsky
Editora Bertrand

"Era ele quem queria conversar. _ Então, vamos conversar a respeito _ ordenou._Estamos sempre apoiando as minorias: direitos civis, ações afirmativas, igualdade no ambiente de trabalho... mas nós queremos ser brancos. Somos hipócritas, então ? _ Nós ? _ Você. Acima de qualquer coisa, você pensa em si mesmo como um Clarke. Eu penso em mim como Dana. Isso não significa alguma coisa ? _ Se a sua família tivesse a história que a minha tem, você entenderia.

_ Se a sua tivesse a história que a minha tem, você entenderia. _ Ela respirou fundo. _ Mas não se trata apenas de você e da sua família, ou de mim e da minha. Trata-se de se perguntar o que nossa filha terá de encarar ao crescer, e se eu e ela iremos enfrentar isso sozinhas.
"


Dana vivia em uma atmosfera de amor e carinho. Decoradora e tricotadeira ávida , dividia-se entre o trabalho, o marido e o bebê que estava prestes a chegar.
Hugh, um advogado bem sucedido e aspirante a pai dedicado, já havia estudado a fundo o parto e os primeiros cuidados com o recém-nascido.

Enquanto Dana vinha de família simples, Hugh havia nascido em berço de ouro. Os Clarke eram, além de ricos, imponentes e conservadores. Hugh havia desafiado a família ao escolher Dana como esposa.

É chegada a hora do bebê nascer e com o bebê nasce o preconceito e a desconfiança. A linda bebezinha era diferente. Não se parecia nem com a mãe e nem com o pai. Milhões de teorias se formaram. As pessoas comentavam. Alguns diretamente, outros, eram mais ponderados, mas a cor da pele da pequena Lizzie chamava a atenção.

Muitas crianças já foram alvo de falatórios e com isso muitos casamentos já foram abalados. Não foi muito diferente com Dana e Hugh. Vemos que muitos não temem envenenar um relacionamento com suposições. Palavras, olhares e intrigas.

Dana sofre muito porque o nascimento da filha foi muito planejado e agora ver aquela atmosfera alterada por pura desconfiança e preconceito a faz sentir uma dor jamais imaginada.

Hugh é insistente e deseja decobrir a razão de Izzie não ser como eles. A necessidade o faz correr atrás de respostas mesmo que para isso ele precise magoar a pessoa que ele mais ama na vida: Dana.

O livro em uma palavra: revelador

Como quem lê faz seu filme, Barbara Delinsky me surpreendeu com esse romance que está mais para um drama. Uma mãe que é acusada de traição apenas por causa da cor da pele de seu bebê. Uma família que não aceita a própria neta por puro preconceito.
A história é quase real e eu me conectei com Dana logo de cara. Talvez seja porque ela não exitou em nenhum momento. Ela amou Lizzie desde sempre.

Um livro leve, de leitura rápida que exalta algo que pouco se fala : o preconceito.

Eu não sei tricotar e durante vários trechos do livro eu pensei em como seria bom tentar aprender.


Postar um comentário

Posts Recentes

© Quem Lê faz seu Filme - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO