29

O Morro dos Ventos Uivantes

Considerado um clássico da literatura universal, O Morro dos Ventos Uivantes foi a minha escolha do mês de março para o Desafio Literário. Agradeço o Desafio Literário, promovido pelo Romance Gracinha, porque talvez eu nunca procurasse esse livro por vontade própria. Sabe aquele clássico que você adoraria ler mas fica enrolando ? No meu caso, o Desafio Literário deu um empurrãozinho. : )


Heathcliff era apenas um pobre menino adotado pela família Earnshaw. Catherine e Hindley ganharam um irmão e no entanto nenhum dos dois ficou feliz com a presença daquele mestiço. Nem mesmo Nelly a governanta, se poupava das ofensas e maldades contra o pobre menino. Aparentemente o senhor Earnshaw era o único a manifestar algum afeto. Hindley desenvolveu um asco imenso por Heathcliff ser o protegido de seu pai e assim, o pobre órfão tornou-se seu saco de pancadas predileto. No meio dessa hostilidade toda nasce um amor profundo entre Catherine e Heathcliff. Medo, capricho ou até mesmo vergonha impedem Catherine de assumir o amor por Heathcliff. A morte do senhor Earnshaw só piora as coisas e Hindley agora aproveita a oportunidade para se livrar daquele que veio apenas para roubar o afeto e o seu lugar. Assim, Heathcliff é despejado de sua própria casa chamada O Morro dos Ventos Uivantes. A falta daquele que era seu secreto amor, só faz Catherine se precipitar e aceitar o pedido de casamento de Edgar Linton até então seu vizinho e apaixonado fã. Heathcliff acabou fazendo sentimentos como a hostilidade e a maldade se aperfeiçoarem cada vez mais no seu dia a dia.
A vida pode machucar.

A vida pode moldar.
E a vida também pode ensinar !
A partir desse ponto, aquele que era o pobre, sofrido e injustiçado órfão, passa a viver apenas pela vingança. Sim porque a vida também pode vingar !
Mas o quê Heathcliff não sabia era que ao perceber a perda do seu verdadeiro amor a vingança passou a não ter nenhuma importância.

Sabe o que mais me impressionou nesse livro ?
Ler os relatos da infância de Heathcliff e depois os relatos das maldades de Heathcliff com seu próprio filho e com o filho de Hindley. Porque a vida pode ser um ciclo vicioso !

Emily Bronte narra de maneira espantosa e até com certa naturalidade, o que há de pior em um ser humano : maldade, vingança, ódio e rancor. E no meio de tudo isso, um amor que nem o tempo e nem a razão foram capazes de apagar. Um amor que desencontra, que sofre, que dói e que só encontra na morte um descanso.

O livro em uma palavra: triste.


Como quem lê faz seu próprio filme, tristeza e dor me acompanharam a cada surra que Heathcliff levou. A cada show de manipulação psicológica de Catherine eu só conseguia enxergar uma menina mimada e insegura. Morros, choupanas, casamentos sem amor, doenças graves, almas que não descansam em paz e muito sofrimento me fizeram imaginar um cenário sempre sombrio para esses personagens.

Não espere romance, não espere alegria e nem mesmo um cenário bonito porque O Morro dos Ventos Uivantes retrata apenas como a vingança pode cegar.

Postar um comentário

Posts Recentes

© Quem Lê faz seu Filme - Blogger Template by EMPORIUM DIGITAL

TOPO